Painel da guerra: coalizão enfrenta vento forte e escudos humanos

Tempestades de areia reduziram brutalmente o avanço das forças anglo-americanas rumo a Bagdá, e impediram novas missões aéreas. Moradores da capital do Iraque, preparando-se para a batalha que se aproxima, acordaram ao som do vento e do fogo distante de artilharia. O Exército americano encontrou resistência esporádica em sua marcha rumo ao norte. Informações da 3ª Divisão de Infantaria estimam que 500 iraquianos foram mortos durante a passagem de dois dias da tropa pela cidade de Najaf, sagrada para os muçulmanos xiitas, disse o major-sargento Kenneth Preston. Pelo menos 20 soldados americanos foram mortos e 14 capturados ou perdidos desde que a guerra começou.Fazendo um balanço da guerra, o primeiro-ministro britânico Tony Blair disse que a coalizão havia se apossado de um porto importante no sul do Iraque e tinha controle sobre muito do deserto ocidental. Ele disse que ataques aéreos haviam sido lançados ao redor dos centros petrolíferos de Mosul e Kirkuk, ao norte do país, e da cidade natal de Saddam Hussein, Tikrit. Segundo Blair, tropas avançam pelo leste do Iraque para defender as duas principais pontes sobre o Eufrates.Blair reiterou que os quilômetros finais rumo a Bagdá seriam os mais duros. Tropas americanas enfrentam a Divisão Medina da Guarda Republicana de Saddam. ?Este será, claramente, o momento crucial?, disse.Missões de combate que partiriam de dois porta-aviões foram canceladas por causa do mau tempo, e duas divisões do Exército dos EUA foram virtualmente paralisadas por uma tempestade de areia que reduziu a visibilidade a apenas um metro.Milhares de fuzileiros navais, marchando rumo norte, para Bagdá, avançaram apenas 30 quilômetros em cinco horas, atingidos por ventos fortes e areia. Embora tempestades de areia sejam comuns na primavera no Iraque, meteorologistas consideram esta como incomum. Em Bagdá, a nuvem de areia era tão densa que as pessoas não conseguiam ver de uma margem para outra do Rio Tigre.Além das tempestades de areia, as forças anglo-americanas também tiveram que enfrentar guerrilhas iraquianas que se valiam de escudos humanos. O porta-voz para as forças britânicas, coronel Chris Vernon, disse à BBC que as forças lutando em Az Zubayr, perto de Basra, no sul do Iraque, informam que atiradores iraquianos atacaram por detrás de civis que ?presumimos, estavam sendo coagidos?. ?Não podemos enfrentar os atiradores, por causa do risco de provocar mortes indevidas de civis?, afirmou.Apesar disso, a 3ª Divisão de Infantaria chegou a 80 quilômetros de Bagdá e atacou instalações militares com morteiros e foguetes. Aviões e helicópteros americanos viram-se sob fogo pesado durante o primeiro ataque contra a tropa da elite de Saddam Hussein, a Guarda Republicana.Militares americanos disseram que é mais provável que forças iraquianas usem armas químicas ou biológicas conforme as forças da coalizão se aproximam de Bagdá. A Guarda controla o grosso do arsenal químico iraquiano, a maior parte do qual pode ser disparada por canhões de artilharia ou lança-foguetes de curto alcance.Saddam enviou uma mensagem aos líderes tribais iraquianos e chefes de clã pedindo que lutem contra as forças da coalizão. ?Lutem em bolsões, e quando as colunas se moverem, acertem a vanguarda e a retaguarda?, ele sugeriu, segundo a TV estatal iraquiana. ?Os que estavam relutando em lutar e aguardando a ordem, considerem isto como o comando de fé e jihad?.Forças da coalizão destruíram seis dispositivos embaralhadores de satélite, que o Iraque vinha usando para tentar desviar as armas de precisão americanas, disse o general Victor Renuart, da Força Aérea americana. Ele declarou que os dispositivos não causaram ?nenhum efeito?. Veja o especial :

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.