Painel da guerra: não há pressa, diz Bush; tempestade passa

Tropas dos Estados Unidos saltaram de pára-quedas no norte do Iraque, controlado pelos curdos, numa operação noturna que abre um segundo front contra o regime de Saddam Hussein. Nos Estados Unidos, após uma reunião com o primeiro-ministro britânico Tony Blair, o presidente George W. Bush disse que as forças avançam ?dia-a-dia?, mas que não há pressa. Bush e Blair exigiram a retomada do programa petróleo por comida da ONU. A violenta tempestade de areia que vinha atrasando as tropas americanas ao sul de Bagdá e mantendo boa parte da força aérea da coalizão no chão deu trégua nesta quinta-feira. Essas tropas passaram a atacar posições da Guarda Republicana do Iraque nos arredores da capital.Militares americanos afirmaram que é ?perfeitamente possível? que um míssil iraquiano seja responsável pela explosão num mercado de Bagdá que deixou pelo menos 14 mortos. O ministro da Saúde do Iraque afirmou que 36 civis foram mortos 215, feridos nos ataques aéreos deslanchados pelos Estados Unidos na quarta-feira, e acusou as forças da coalizão de atirar deliberadamente contra civis, para amedrontar o povo.Um míssil atingiu um alvo a 700 metros do Ministério da Informação, em Bagdá, disseram testemunhas. Não há ainda informações sobre danos ou baixas. Militares americanos e britânicos acusam forças leais a Saddam Hussein de capturar crianças e ameaçar matá-las se seus pais não pegarem em armas por Saddam.Autoridades britânicas adiaram uma operação humanitária que chegaria por mar ao Iraque, por causa da descoberta de minas no canal do porto de Um Qsar. Os suprimentos devem chegar somente na sexta-feira, ou mais tarde.Artilharia e apoio aéreo da coalizão destruíram diversos veículos blindados que saíram da cidade sitiada de Basra durante a noite, disse um comandante britânico.O general dos Fuzileiros Peter Pace, vice-chefe do Estado-Maior Conjunto, afirmou que tropas iraquianas executaram alguns prisioneiros americanos. Uma declaração oficial do governo iraquiano acusou as forças americanas de capturar civis como prisioneiros de guerra e zombou das esperanças anglo-americanas de uma vitória rápida.Centenas de manifestantes contra a guerra foram à Quinta Avenida em Nova York, e dúzias deitaram-se na rua, no início de um dia de desobediência civil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.