País árabe liberta radical islâmico

O emirado árabe do Catar libertou ontem um intelectual que tinha sido preso há três anos por protestar contra os direitos das mulheres no país. Abdul-Rahman al-Nuaimi, professor da Estudos Islâmicos na Universidade do Catar, havia sido detido pela polícia em 1998, depois de publicar uma carta aberta ao Conselho Consultivo do emir, onde afirmava que as políticas do país violavam princípios do Islã. A carta criticava a venda de bebidas alcoólicas e o aumento nos direitos da mulheres, que passaram a poder votar, ser votadas e ocupar cargos no governo. O atual emir de Catar, xeque Hamad bin Khalifa Al Thani, vem realizando uma série de reformas liberalizantes no país desde que chegou ao poder, em 1995.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.