Family of Charlie Gard via AP
Family of Charlie Gard via AP

Pais de bebê britânico com doença terminal decidem encerrar batalha judicial para obter tratamento

Advogado que representa Connie Yates e Chris Gard disse que o tempo de Charlie Gard, de 11 meses, ‘se esgotou’

O Estado de S.Paulo

24 Julho 2017 | 10h58

LONDRES - Os pais do bebê britânico Charlie Gard, de 11 meses, decidiram nesta segunda-feira, 24, encerrar sua batalha judicial para tentar conseguir tratamento para ele, disse Grant Armstrong, advogado que representa o casal.

Ele afirmou que o tempo da criança “se esgotou”. “É muito tarde para Charlie. O dano está feito”, relatou Armstrong.

Na quarta-feira, o Congresso dos EUA havia concedido status de "residente permanente" a Charlie e sua família para que ele pudesse ser tratado no país.

O bebê sofre de miopatia mitocondrial, uma doença rara e incurável que provoca perda progressiva da força muscular. Os pais tentavam evitar que os aparelhos que o mantêm vivo fossem desligados.      

O presidente americano, Donald Trump, e o papa Francisco já haviam se manifestado a favor da criança.

Além disso, Connie Yates e Chris Gard conseguiram arrecadar mais de 1 milhão de libras para financiar a viagem aos EUA, mas a Justiça do Reino Unido ordenou o desligamento dos aparelhos. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.