País tem 200 mil presos políticos, diz Anistia

Um relatório da Anistia Internacional, divulgado ontem, acusou a Coreia do Norte de manter mais de 200 mil presos políticos em pelo menos 6 campos de concentração. O maior deles, Yodok, abriga cerca de 50 mil prisioneiros, entre os quais mulheres e crianças, segundo a organização. "Há bebês que nascem em Yodok e ali ficam pelo restante de suas vidas", diz o relatório, com base em fotos de satélite e entrevistas com ex-prisioneiros. A organização denunciou ainda o trabalho forçado e a tortura a que são submetidos os presos. O governo nega.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.