Pais visitam filhos presos no Afeganistão

Familiares e diplomatas ocidentais reuniram-se hoje por duas horas com oito estrangeiros detidos no Afeganistão acusados de propagar o cristianismo neste país islâmico. A mãe de Dana Curry, uma das duas norte-americanas detidas, e John Mercer, pai de Heather Mercer, a outra norte-americana, encontraram-se com suas filhas entre muros de três metros de altura guardados por soldados com rifles Kalashnikov."Fui uma reunião muito próxima e calorosa como vocês podem imaginar que seria", disse a jornalistas David Donahue, cônsul-geral dos EUA no vizinho Paquistão, depois da reunião. Donahue foi um dos três diplomatas ocidentais a acompanhar os pais ao reformatório juvenil, em Cabul, onde os oito estrangeiros estão sendo mantidos desde que foram presos há mais de três semanas.Os estrangeiros - as duas norte-americanas, quatro alemães e dois australianos - fazem parte de um grupo de 24 pessoas presas que trabalham para a organização não-governamental (ONG) Shelter Now International, mantida pelo grupo cristão Vision for Asia, com base na Alemanha."Acho que todos eles estavam muito bem", afirmou Donahue. "Todos se encontraram ao mesmo tempo. Falamos coisas do tipo ´como vai você? Como você está sendo tratado? Em que condições você está vivendo? Você recebeu as encomendas que eu lhe enviei?´ e eles responderam que sim".Curry e Mercer, as duas norte-americanas, são solteiras e tem cerca de 20 anos. O local de nascimento das duas não foi informado. Os outros seis estrangeiros presos foram identificados como George Taubmann, Margrit Stebnar, Kati Jelinek, Silke Duerrkopf (Alemanha), Peter Bunch e Diana Thomas (Austrália).Segundo Donahue, não foram discutidas questões sobre a investigação aberta pelo Taleban sobre proselitismo contra os estrangeiros. No entanto, ele afirmou que os três diplomatas esperam se encontrar amanhã com membros da milícia islâmica para discutir o caso.Ele também disse esperar rever os detidos por pelo menos mais uma vez, assim como acreditam os familiares, que se recusaram a se encontrar com a imprensa ou dar detalhes sobre a vida de seus filhos.Dias atrás, as autoridades talebans mostraram fitas de vídeo, bíblias e outros materiais com conteúdo cristão, tudo traduzido para as línguas faladas no Afeganistão, apreendidos durante blitze realizadas nos escritórios da ONG e nas casas dos funcionários detidos.O Taleban impõe um hermético regime islâmico no Afeganistão, segundo o qual, entre outras coisas, as mulheres devem estar cobertas sempre por um véu negro dos pés à cabeça e não podem trabalhar nem estudar. Qualquer expressão religiosa que não seja a islâmica é duramente reprimida, às vezes com a pena de morte.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.