Países anunciam ajuda de US$ 4,4 bilhões para a reconstrução do Nepal

A maior promessa veio da Índia, que ofereceu US$ 1 bilhão em doações e empréstimos a juros baixos

O Estado de S. Paulo

25 de junho de 2015 | 15h53

KATMANDU - Países e agências de desenvolvimento anunciaram ajuda no valor de US$ 4,4 bilhões ao Nepal nesta quinta-feira, o que corresponde a cerca de dois terços do que a nação do Himalaia diz precisar para reconstruir as regiões destruídas pelos terremotos devastadores que mataram mais de 8.800 pessoas e deixaram milhões de desabrigados.

O ministro das Finanças do Nepal, Ram Sharan Mahat, disse que o montante foi prometido por doadores que participaram de uma conferência de um dia na capital, Katmandu. O Nepal diz precisar de cerca de US$ 6,7 bilhões para a reconstrução.

A maior promessa veio do grande vizinho do sul do Nepal, a Índia, que ofereceu US$ 1 bilhão em doações e empréstimos a juros baixos.

"O Nepal e a Índia estão unidos. Portanto, há a necessidade de coordenar estreitamente nossa resposta a desastres e ajudar uns aos outros diante das calamidades", disse o ministro de Relações Exteriores da Índia, Sushma Swaraj.

O ministro de Relações Exteriores da China, Wang Yi, disse que seu país vai fornecer US$ 483 milhões. Já o presidente do Banco Asiático de Desenvolvimento, Takehiko Nakao, prometeu US$ 600 milhões.

O Japão disse que doará US$ 260 milhões e os Estados Unidos, US$ 130 milhões. O Banco Mundial já tinha anunciado US$ 500 milhões para o Nepal. Por sua vez, a União Europeia, disse que daria US$ 112 milhões para o governo do Nepal para os gastos com a reconstrução.

Mais cedo, Mahat disse que o déficit comercial do Nepal vai aumentar em razão dos terremotos, mas as reservas externas permanecerão adequadas com as transferências. "Esta é a razão pela qual nós estamos olhando para nossos parceiros de desenvolvimento para preencher o crescente fosso fiscal que teremos nos próximos três a cinco anos", acrescentou. / REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
Nepalreconstruçãoajudaterremoto

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.