Ahmed Jadallah/Reuters
Ahmed Jadallah/Reuters

Países árabes descartam intervenção militar estrangeira na Síria

Liga Árabe vai pedir às autoridades que garantam segurança dos observadores no país

Efe,

20 de janeiro de 2012 | 11h09

CAIRO - Os países árabes são favoráveis a prolongar a missão de observadores enviada pela Liga Árabe à Síria e por enquanto descartam apoiar uma intervenção militar estrangeira, informou nesta sexta-feira, 20, à Agência Efe uma fonte desta organização.

 

Veja também:
especialMAPA: 
A revolta que abalou o Oriente Médio
mais imagens OLHAR SOBRE O MUNDO: Imagens da revolução
tabela ESPECIAL: Um ano de Primavera Árabe 

Segundo a fonte, que pediu anonimato, quase todos os países árabes concordam em estender a missão e emitir um documento para pedir às autoridades sírias que garantam a segurança dos observadores e cumpram a iniciativa árabe, que estipula, entre outros pontos, o fim da violência.

Está previsto que neste domingo sejam realizadas duas reuniões: uma do grupo de contato da Liga Árabe sobre a Síria e outra dos ministros das Relações Exteriores dos países árabes.

Em ambos os encontros, os responsáveis estudarão o relatório apresentado pelo chefe da missão, o sudanês Mohammed Ahmad Mustafa al-Dabi, que reúne as conclusões dos observadores enviados durante o último mês à Síria para verificar o cumprimento do plano árabe de solução à crise.

A fonte consultada destacou que alguns países árabes são a favor de elevar a questão síria à escala internacional, mas consideram que não é o momento oportuno para fazê-lo, visto que os grandes Estados e a Otan não estão dispostos a se envolver em uma intervenção militar.

Outras partes, no entanto, rejeitam qualquer intervenção militar pelo temor de que a Síria não suporte as graves consequências de uma guerra, acrescentou a fonte.

Apesar da presença de observadores árabes, a violência não cessa na Síria, onde mais de 5 mil pessoas morreram pela repressão do governo desde que começaram os protestos em março, segundo os últimos números das Nações Unidas, apesar do regime responsabilizar grupos terroristas do ocorrido. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.