Países árabes querem dialogar com EUA e Irã sobre Iraque

Os países árabes querem participar dos diálogos sobre o Iraque que os Estados Unidos e o Irã planejam promover, segundo afirmou neste domingo o secretário-geral da Liga Árabe, Amrem Moussa, em entrevista coletiva em Cartum, capital do Sudão. "EUA e Irã têm interesses no Iraque, mas a situação e o futuro do Iraque também interessam o mundo árabe, e não permitiremos que os árabes sejam marginalizados ou afastados", disse o principal representante da Liga Árabe. Moussa participa da reunião dos ministros de Exteriores dos 22 países-membros do organismo pan-árabe, que prepara a agenda temática da cúpula dos chefes de Estado da Liga, prevista para os dias 28 e 29 de março na capital sudanesa. Uma postura similar à de Moussa foi manifestada pelo chefe da diplomacia sudanesa, Lam Akol, que preside a reunião ministerial da Liga, ao afirmar que seus colegas árabes "concordam na necessidade de os países árabes, especialmente os vizinhos do Iraque, participarem desse diálogo". Moussa acrescentou que a cúpula de Cartum aprovará a abertura de uma representação da Liga Árabe em Bagdá, e afirmou que "um representante (da organização) estará no Iraque dentro de um mês". "Intensificaremos nossos contatos sobre a situação no Iraque", insistiu o secretário-geral da Liga Árabe. Moussa e Akol fizeram essas declarações um dia depois que o titular de Exteriores iraquiano, Hohiyar Zebari, instou, em Cartum, os países árabes a desempenharem um papel efetivo para resolver a crise iraquiana e abrirem representações diplomáticas em Bagdá.

Agencia Estado,

26 Março 2006 | 13h20

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.