Meridith Kohut/The New York Times
Meridith Kohut/The New York Times

Países da América Latina denunciam ‘uso excessivo da força’ contra civis na Venezuela

Argentina, Brasil, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Honduras, México e Paraguai pediram ao governo chavista que respeite os direitos humanos de seus cidadãos

O Estado de S.Paulo

05 Maio 2017 | 11h39

CIDADE DO MÉXICO - Oito países da América Latina denunciaram na quinta-feira 4 o "uso excessivo da força" das autoridades venezuelanas contra manifestantes civis, depois que o número de mortos nos protestos contra o governo da Venezuela subiu para 35.

As oito nações - Argentina, Brasil, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Honduras, México e Paraguai - condenaram o aumento da violência na Venezuela e pediram ao governo chavista que respeite os direitos humanos de seus cidadãos.

"Condenamos o uso excessivo da força por parte das autoridades venezuelanas contra a população civil que marcha para protestar contra as medidas do governo que afetam a estabilidade democrática, polarizam ainda mais a sociedade venezuelana e causam a perda de vidas", disseram os oito governos em um comunicado conjunto.

A Costa Rica chegou a chamar de volta sua principal autoridade diplomática na Venezuela, Ana Patricia Villalobos, para consultas.

Os venezuelanos, já abalados pelos protestos que resultaram em mortes de manifestantes, apoiadores do governos e agentes de segurança, foram surpreendidos na quinta-feira por rumores sobre a possível morte do líder opositor preso Leopoldo López. O governo de esquerda do presidente Nicolás Maduro, que enfrenta desde 2016 uma grande onda de protestos, divulgou posteriormente um breve vídeo como "prova de vida" no qual López disse estar bem. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.