Países da ex-União Soviética firmam nova aliança econômica

A Rússia e outros quatro países que formavam a União Soviética completaram a

Estadão Conteúdo

23 de dezembro de 2014 | 22h38

criação de uma nova aliança econômica, que nem bem se consolidou e já apresenta fraturas.

A União Econômica da Eurásia, que inclui Rússia, Bielorrússia, Cazaquistão, Armênia e Quirguistão, passa a existir em 1º de janeiro. Além do livre comércio, o grupo coordenará o sistema financeiro dos países membros e regulará suas politicas industrial e agrícola, o mercado de trabalho e as redes de transporte.

Segundo o presidente da Rússia, Vladimir Putin, o novo bloco terá uma economia estimada de US$ 4,5 trilhões, contando com cerca de 170 milhões de pessoas. "A integração euro-asiática é baseada no benefício e em interesses mútuos", disse.

Mas o presidente da Bielorrússia, Alexander Lukashenko, não se importou com aparências e lançou um duro ataque contra Moscou por prejudicar seus interesses econômicos com movimentos para restringir suas exportações para a Rússia.

Localizada entre a Rússia e dois países membros da União Europeia - Polônia e Lituânia - a Bielorrússia lucrou bastante com as sanções impostas pelo Ocidente à Moscou. O país aumentou as importações de alimentos da Europa para revendê-los à Rússia.

As autoridades russas retaliaram suspendendo importações de carne e leite da Bielorrússia, alegando razões sanitárias.

"Violando todas as normas internacionais, temos enfrentado uma proibição de trânsito", disse o presidente da Bielorrússia, Alexander Lukashenko. "Isso foi feito de forma unilateral e sem consultas", acrescentou. Fonte: Associated Press

Tudo o que sabemos sobre:
RússiaUnião Econômica da Eurásia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.