Países discutem crise nuclear coreana em fórum econômico

Ministros e governantes do Fórum de Cooperação Econômica Ásia-Pacífico (Apec), que acontece em Hanói, reuniram-se nesta quarta-feira para definir a pauta da próxima rodada de conversas sobre o programa nuclear norte-coreano, que deve acontecer em dezembro. O assunto, no entanto, tem comprometido os temas econômicos que deveriam estar sendo discutidos no encontro. Apesar disso, fontes diplomáticas não identificadas garantiram que líderes dos Estados Unidos, do Japão, da Rússia, da China e da Coréia do Sul - que, com a Coréia do Norte, formam um grupo montado para negociar as ambições nucleares do regime comunista - pretendem realizar um novo encontro extra-oficial nesta sexta-feira, para discutir o avanço do programa nuclear de Pyongyang. A Coréia do Norte preocupou a comunidade internacional depois de anunciar a realização de um teste com uma bomba nuclear no início de outubro. "Nenhum país - nem a China, nem a Rússia ou qualquer um de nós - pretende aceitar a Coréia do Norte como uma potência nuclear. Acredito que nós conseguimos deixar isso bem claro", disse o representante norte-americano Christopher Hill, após o encontro de duas horas com seus colegas do Japão e da Coréia do Sul. As conversas entre o grupo e os norte-coreanos estão estagnadas há um ano, desde que Pyongyang decidiu boicotar as sanções impostas pelo governo dos Estados Unidos. Agora, o objetivo dos negociadores é chegar a um consenso entre eles, antes da próxima rodada de conversas. "Nós não podemos falhar dessa vez", disse Chun Yung-woo, representante de Seul. De acordo com ele, os norte-coreanos não devem esperar nenhuma recompensa somente por terem retornado à mesa de negociações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.