Países dizem para Rússia não enviar mísseis à Síria

Os Estados Unidos e a Alemanha alertaram a Rússia nesta sexta-feira a não fornecer um avançado sistema de defesa aérea ao governo do presidente sírio Bashar Assad. Autoridades afirmam que isso colocaria em risco a conferência de paz planejada para a Síria e poderia alterar o equilíbrio no Oriente Médio.

Agência Estado

31 Maio 2013 | 17h57

Segundo o secretário de Estado norte-americano, John Kerry, e o ministro alemão de Relações Exteriores, Guido Westerwelle, o fato de a Rússia transferir o míssil S-300 para a Síria poderia prolongar a guerra civil no país, colocar em perigo as tentativas de formar um governo de coalizão e ferir interesses estratégicos de Israel.

"Independentemente de ser ou não um contrato antigo, o armamento fornecido a Assad tem impacto profundamente negativo sobre o balanço de interesses e a estabilidade da região, além de pôr Israel em risco", afirmou Kerry.

Westerwelle solicitou à Rússia que não "''atrapalhe'' a conferência", planejada para acontecer em Genebra no mês que vem, mas remarcada para o começo de julho.

"Não coloquem em perigo a conferência de paz em Genebra", ele disse. "Ao entregar o míssil S-300 ou outras armas (à Síria), nossos colegas russos enviarão ao mundo a mensagem errada".

Kerry e Westerwellle discursaram um dia após Assad sugerir que seu regime recebeu o primeiro carregamento do moderno sistema antiaéreo, o que reduziria a pressão sobre ele para negociar com a oposição, dificultaria a intervenção estrangeira na Síria e deixaria Israel sob alerta.

Autoridades russas disseram que forneceriam o S-300 para a Síria mediante um contrato preexistente. Também afirmaram que tentarão convencer o regime de Assad a participar da convenção de paz de Genebra. Em contrapartida, a oposição síria alertou que não participará da conferência caso os massacres continuem.

Kerry disse que acredita que a oposição vai participar do encontro, uma vez que a não participação levanta questionamentos sobre sua liderança contrária a Assad. As informações são da Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
SíriaEUARússiamísseis

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.