Países do Golfo prometem mudar textos anticristãos

Líderes do Golfo Pérsico reunidos no Kuwait assinaram acordo para revisar a linguagem dos textos escolares na região, a qual os Estados Unidos consideram alimentar sentimento anticristão e antijudeu. A decisão foi tomada na reunião anual de dois dias do Conselho de Cooperação do Golfo, aliança política e militar composta pela Arábia Saudita, Kuwait, Omã, Catar, Barein e Emirados Árabes Unidos, concluída ontem. Os Estados Unidos têm pressionado o conselho para tomar esta decisão desde os atentados de 11 de setembro de 2001. A medida faz parte do tratado adotado pelos líderes para combater o terrorismo, no qual foi ainda destacado a necessidade de coordenação e fortalecimento na rede de segurança, troca de informações e redução nas fontes de terrorismo. No encontro foram também discutidas as relações do grupo como o Iraque pós-Saddam Hussein. As reformas educacionais incluem a remoção dos textos escolares de informações descrevendo os seguidores de outras religiões como infiéis e inimigos do Islã. Críticos dizem que escolas sauditas utilizam, algumas vezes, exercícios pedindo as crianças que completem frases como "Deus odeia...", cuja resposta é "os infiéis". As informações são do site da rede de televisão Al-Jazira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.