Países europeus convocam embaixadores do Egito

Alemanha, França e Reino Unido convocaram os embaixadores egípcios em seus respectivos países para discutir a onda de violência que tomou conta do país do norte da África. Segundo o Ministério da Saúde do Egito, o número de pessoas mortas nos conflitos ocorridos ontem entre policiais e simpatizantes do presidente deposto Mohammed Morsi já chegou a 525.

AE, Agência Estado

15 de agosto de 2013 | 08h30

A onda de violência teve início quando a polícia do Cairo tentou desfazer dois acampamentos de manifestantes a favor de Morsi, que foi derrubado do poder em 3 de julho, e logo se espalhou para outras partes da capital e outras cidades do país. Em resposta aos "sangrentos" incidentes, a Dinamarca informou que suspendeu a ajuda oferecida ao país do norte da África.

A Dinamarca tem dois projetos em colaboração direta com o governo egípcio e com as instituições públicas, "e agora eles estão sendo suspensos", disse o ministro da ajuda ao desenvolvimento, Christian Friis Bach, ao jornal Berlingske.

"Esta é uma resposta aos acontecimentos sangrentos e a direção lamentável que tomada pelo desenvolvimento da democracia" no Egito, acrescentou. A ajuda da Dinamarca nos dois projetos equivale a cerca de 30 milhões de coroas (US$ 5,3 milhões).

Friis Bach também pediu que a União Europeia examine a sua ajuda para o governo do Cairo e disse ao jornal que a Dinamarca pretende suspender sua contribuição para a UE em projetos de financiamentos no país do norte africano. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
egitoviolênciaeuropa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.