Países fecham acordo de gasoduto no Afeganistão

Os líderes do Afeganistão, do Paquistão e do Turcomenistão concordaram neste sábado em avançar com o plano de construir um gasoduto que cruzaria os três países. Com 1.700 quilômetros, o duto - batizado de Tapi - sairia do Turcomenistão, passaria pelo Afeganistão, inclusive pela província de Kandahar, palco das batalhas entre as forças internacionais e o Taleban, pelo Paquistão e terminaria na Índia.

AE, Agência Estado

11 Dezembro 2010 | 20h49

Receios sobre a segurança do duto e dos funcionários que o construirão geram dúvidas sobre a viabilidade do projeto no curto prazo, mas os representantes dos três países acreditam que a introdução da estrutura pode acalmar a região.

"Juntamente com os benefícios comerciais e econômicos, este projeto também renderá uma influência estabilizadora sobre a região", disse o presidente do Turcomenistão, Gurbanguli Berdymukhamedov, após os líderes assinarem o acordo. "O Afeganistão cumprirá a obrigação de garantir a construção e a segurança da linha", disse o presidente afegão, Hamid Karzai.

A construção do gasoduto é vista com bons olhos pelos EUA, que é fortemente contra a possibilidade de Índia e Paquistão comprarem gás do Irã.

O conteúdo do documento assinado por Karzai, Berdymukhamedov, pelo presidente do Paquistão, Asif Ali Zardari, e pelo ministro de Petróleo da Índia, Murli Deora, não foi publicado, mas o próximo passo, aparentemente, seria obter os recursos financeiros e as propostas para a construção do gasoduto.

"Esse projeto não será fácil de completar - é obrigatório garantirmos a segurança do duto e a qualidade do trabalho de construção", disse o presidente do Banco de Desenvolvimento Asiático, Haruhiko Kuroda. Ele disse que o banco ofereceria apoio ao plano, mas não especificou qual seria esse apoio.

Berdymukhamedov disse que o duto poderia transportar até 33 bilhões de metros cúbicos de gás por ano. A Índia e o Paquistão receberiam cada um uma fatia de 42% do gás transportado. O Afeganistão receberia o restante. As informações são da Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
Afeganistãogasodutoacordo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.