Países não-alinhados querem ser ouvidos sobre o Iraque

O grupo dos países não-alinhados, liderado pela África do Sul, quer evitar que o debate sobre o Iraque na ONU se restrinja aos 15 integrantes do Conselho de Segurança. Hoje, o grupo enviou uma carta ao Conselho pedindo que uma reunião de emergência seja realizada com todos os 192 membros da ONU para debater se o uso da força poderia ser autorizado ou não. A rigor, os membros do Conselho de Segurança são os únicos que podem votar uma resolução contra o Iraque. Mas os demais países querem, pelo menos, ser ouvidos."Acreditamos que os elementos de uma resolução (contra o Iraque) incluem temas que são importantes para toda a ONU e para o futuro da organização na manutenção da paz e segurança", diz o grupo, em uma carta. "Todos os países da ONU deveriam ter a oportunidade de expressar seus pontos de vista sobre os objetivos e princípios que guiam a Carta das Nações Unidas", diz o comunicado. Depois que o Congresso norte-americano aprovou o uso da força contra o Iraque pela administração de George W. Bush, os países que se opõem à guerra temem que Washington acabe convencendo os membros do Conselho de Segurança a aprovar uma resolução que abra caminho para um ataque.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.