Jonathan Nackstrand/AFP
Jonathan Nackstrand/AFP

Países nórdicos relutam em usar máscara contra pandemia

Nas ruas de Estocolmo, Copenhague, Oslo, ou Helsinque, e até em supermercados, escritórios, ônibus e vagões do metrô, é difícil encontrar pessoas usando proteção

Redação, O Estado de S.Paulo

31 de julho de 2020 | 03h00

ESTOCOLMO - Donald Trump resistiu, mas apareceu em público com a peça, e seu uso é generalizado em todo mundo. Mas as autoridades dos países nórdicos (Suécia, Dinamarca, Noruega, Finlândia e Islândia), assim como seus mais de 25 milhões de habitantes, continuam ignorando a máscara para combater a pandemia de covid-19.

Nas ruas de Estocolmo, Copenhague, Oslo, ou Helsinque, e até em supermercados, escritórios, ônibus e vagões do metrô, é difícil encontrar pessoas de máscara. Representam uma ínfima minoria e geralmente são turistas.

De acordo com uma pesquisa recente do instituto Yougov, apenas entre 5% e 10% dos entrevistados nos países nórdicos disseram usar máscara contra a covid-19 nos locais públicos, uma proporção que permanece estável desde o início da crise, em março.

Nos outros 20 países pesquisados pelo instituto, que incluem Índia, Estados Unidos e França, o uso de máscara alcança 70%, ou até mesmo 80% dos entrevistados.

"Tenho a impressão de que se o governo não afirmar claramente 'aconselhamos que usem a máscara', ninguém vai fazer isto", considera Camille Fornaroli, estudante francesa de 21 anos que ficou surpresa com a pequena quantidade de máscaras nas ruas de Estocolmo, nem mesmo no metrô.

Seguir as normas

Para Birgitta Wedel, uma aposentada de 63 anos, "seria bom se as autoridades suecas recomendassem o uso de máscara, pelo menos nos transportes".

"Mas não vou usar se for a única, espero que as autoridades tomem uma decisão oficial", completou.

"Os suecos assumem suas responsabilidades", afirmou Marten Sporrong, empresário de 50 anos, apesar da epidemia seguir muito ativa em Estocolmo.

"Mas nós seguimos as recomendações governamentais: se nos dizem que não precisamos de máscara, não vamos usar", explica à agência France Press.

Ante o coronavírus, a Suécia optou por uma estratégia menos rígida que deixou os países vizinhos céticos sobre seu balanço (mais de 80 mil casos e 5.700 mortos). Já no momento de rejeitar a recomendação do uso de máscara, os países nórdicos foram unânimes, apesar das dúvidas registradas nos últimos dias.

"Com exceção da Suécia, poucos casos foram registrados nestes países. Por isto, não vou criticá-los, já que respeitaram uma distância de segurança razoável e fizeram o rastreamento correto dos casos. Mas seria outra coisa positiva que poderiam fazer", declarou à Agência France Press KK Cheng, epidemiologista do Instituto de Pesquisas Aplicadas à Saúde de Birmingham.

Ao ser questionado na terça-feira sobre o que poderia provocar sua mudança de opinião, o epidemiologista-chefe do governo sueco, Anders Tegnell, respondeu que ainda espera "uma forma de prova de que são eficazes".

Não há evidências suficientes de sua eficácia? "Isto é absolutamente falso, é irresponsável e teimosia", reagiu Cheng, irritado. "Se os que pensam como ele estão errados, isto vai custar vidas. Mas, se eu estiver errado, que mal pode provocar?", completou o especialista.

Dúvidas

Na Dinamarca, as autoridades de saúde começaram a recomendar timidamente o uso de máscara no início de julho, após uma advertência da Organização Mundial da Saúde (OMS). Mas em casos muito específicos, como quando uma pessoa vai ao hospital para fazer exames, ou nos transportes, caso retorne de uma zona de risco.

"Neste momento, a máscara não tem nenhum sentido", declarou na terça-feira o diretor da Sundhedsstyrelsen (Autoridade de Saúde), Soren Brostrom. "Porém, a longo prazo, pode ser útil nos transportes ou em outros locais? Certamente é algo que temos que avaliar", completou. 

Uma posição similar é observada na Noruega e na Finlândia, onde, a princípio, as autoridades afirmam que não são contrárias ao uso da máscara.

"Atualmente, estamos em uma situação tranquila. Mas talvez seja algo que teremos que pensar em um futuro próximo, caso os contágios aumentem", declarou à Agência France Press Are Stuwitz Berg, médico que integra a FHI (Autoridade de Saúde da Noruega).

"A questão pode surgir quando as pessoas retornarem das férias", disse a diretora da autoridade finlandesa THL, Mika Salminen.

Um país nórdico, no entanto, se afastou levemente deste caminho nesta quinta-feira.

A Islândia anunciou que começará a pedir à população que utilize máscaras nos transportes públicos, em voos domésticos e alguns estabelecimentos comerciais. /AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.