Países ricos perderão população até 2050, diz estudo

Muitas das principais economias industrializadas do planeta perderão população até 2050. Taxas de natalidade baixas, problemas econômicos e impedimentos à imigração sufocarão o crescimento, diz o autor de um relatório sobre as tendências da população mundial. O estudo do Population Reference Bureau, uma entidade privada, sugere que, embora a população mundial vá crescer quase 50% até a metade do século, o Japão perderá 20% de seus habitantes nos próximos 45 anos. Rússia, Alemanha e Itália também sofrerão com o declínio.Os EUA serão a maior exceção no mundo desenvolvido, com uma previsão de crescimento populacional de 43%, de 293 milhões para 420 milhões até a metade do século. Apesar disso, a maior parte do crescimento populacional virá das nações em desenvolvimento. O relatório diz que a população mundial deverá crescer 45%, chegando a 9,3 bilhões, em meados do século XXI, projeção semelhante às da ONU e do Censo americano. A população dos países desenvolvidos deverá subir 4%, para mais de 1,2 bilhão, e a das nações em desenvolvimento crescerá 55%, para mais de 8 bilhões. África e sul da Ásia terão as maiores ampliações.O autor do estudo, Carl Haub, cita a Nigéria e o Japão como pólos opostos da tendência demográfica mundial. Cerca de 44% da população nigeriana tem menos de 15 anos de idade hoje, e só 3% tem mais de 65 anos. A mulher nigeriana típica tem cerca de seis filhos ao longo da vida. Já a mulher japonesa tem em média um filho, 19% dos japoneses têm menos de 15 anos e 19% têm mais de 65.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.