Países tiram seus cidadãos do Egito

O Itamaraty afirma que já retirou turistas do Egito. Mas brasileiros acusam o governo de não ter um plano de ajuda para os visitantes que ontem continuavam presos em hotéis do Cairo. Segundo a embaixada brasileira no Egito, um primeiro grupo de turistas foi levado no sábado para a Espanha. O Itamaraty afirma estar à disposição para ajudar a quem solicitar a retirada. Estima-se que cerca de 200 brasileiros residam no Egito.

Jamil Chade, O Estado de S.Paulo

31 de janeiro de 2011 | 00h00

Apesar das promessas de ajuda do governo, um grupo de 14 brasileiros que havia viajado para o Cairo para um casamento acusou o governo de não estar provendo a assistência prometida. Diante da crise, a festa que contaria com mil convidados foi cancelada.

Segundo o grupo, diplomatas brasileiros disseram que nada poderiam fazer para ajudar e compararam a situação com a dos turistas israelenses, americanos, franceses e sauditas que eram socorridos por suas embaixadas. A Turquia mandou dois aviões, e a Arábia Saudita, oito. A Grã-Bretanha também estaria avaliando o envio.

Ontem, todas as atrações do Egito foram fechadas. As pirâmides não estão autorizadas a receber turistas, enquanto voos foram em grande partes cancelados ou modificados. O turismo é uma das maiores fontes de renda para o governo de Mubarak.

Sem opções, turistas israelenses presos no Hotel do Cairo após o toque de recolher se divertiram assistindo ao noticiário da TV estatal egípcia, que praticamente não mostrava cenas das manifestações e censurava grande parte das críticas ao regime de Mubarak.

"Parece que estão mostrando outro país", dizia um deles. "Viemos ao Egito para sair da confusão que é Israel e descansar", lamentava Igal, um vendedor de seguros de Tel-Aviv.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.