Palestina de 30 anos pode morrer em greve de fome

m mulher palestina que faz greve de fome há mais de um mês, Hana Shalabi, corre o risco iminente de morrer, denunciou nesta terça-feira o grupo israelense Médicos pelos Direitos Humanos, que destacou um médico para atender a ativista. Shalabi, de 30 anos, protesta contra o fato de ter sido presa pelos militares israelenses sem nenhuma acusação formal. Desde o dia 16 de fevereiro, quando foi detida, ela bebe apenas água.

AE, Agência Estado

20 Março 2012 | 14h15

"Nós estamos preocupados. O médico dela pediu que fosse transferida a um hospital", disse o médico Ran Cohen, da organização não governamental Médicos pelos Direitos Humanos. A porta-voz do sistema penitenciário de Israel, Sivan Weizman, disse que no momento Shalabi está sendo monitorada em uma clínica da prisão.

Mais de 300 dos 6 mil palestinos atualmente detidos no sistema penitenciário de Israel o estão sem acusações formais. Ativistas pelos direitos humanos dizem que essa prática pode ser aplicada apenas em casos extraordinários e que ao deixar centenas de palestinos detidos sem serem formalmente acusados Israel viola as convenções internacionais sobre tratamento aos presos.

Autoridades do sistema penitenciário israelense dizem que 20 detentos palestinos lançaram greves de fome em apoio a Hana Shalabi nas últimas duas semanas. No começo deste ano, o detento palestino Kader Adnan fez greve de fome por 66 dias. Ele suspendeu a greve após chegar a um acordo com as autoridades israelenses, que prometeram libertá-lo em abril.

Hana Shalabi é partidária do movimento Jihad Islâmica, mas é mantida presa sem acusação formal, no que o sistema de Israel chama de "detenção administrativa".

As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.