Palestina quer vaga em corte internacional, diz ministro

Objetivo é tentar responsabilizar Israel por supostos crimes de guerra em territórios ocupados

Estadão Conteúdo

05 de agosto de 2014 | 15h05

O ministro das Relações Exteriores palestino, Riad Malki, afirmou nesta terça-feira que seu governo pretende tentar uma cadeira na Corte Penal Internacional (ICC, na sigla em inglês), na esperança de responsabilizar Israel por supostos crimes de guerra nos territórios ocupados.

Após se encontrar com agentes do ICC, Malki disse, no entanto, que seu país ainda não tomou uma decisão final sobre o assunto. Se a Palestina se tornar membro da ICC, isso abriria portas para uma investigação sobre o próprio grupo de militantes extremistas Hamas, que lutam contra a ocupação israelense. Israel rejeita a autoridade da corte.

A tentativa anterior dos palestinos de se tornarem membros da ICC, em 2009, falhou porque não conseguiram comprovar que seus territórios configuravam um Estado. Malki argumentou que este não é mais um problema, já que o Estado da Palestina foi reconhecido pela Assembleia Geral da ONU como uma nação observadora em 2012. Fonte: Associated Press

Tudo o que sabemos sobre:
PALESTINAISRAELICC

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.