Palestino é morto em retaliação a atentados

Um policial palestino foi morto hoje em represália aos ataques lançados ontem, incluindo dois atentados suicidas, que mataram oito israelenses e feriram dezenas de passoas.O Exército de Israel disparou mísseis antitanques contra uma delegacia de polícia na cidade cisjordaniana de Tamun. Um policial morreu e outros quatro ficaram feridos, informaram funcionários palestinos.Ontem, um palestino detonou uma bomba no momento em que passageiros desciam de um trem em Naharyia, em Israel, provocando a morte de três israelenses e do suicida palestino e feriu mais de 30 pessoas, disseram funcionários de um hospital local. Em outros dois incidentes de violência, um homem em um jipe disparou um fuzil automático contra uma caminhonente que transportava professores israelenses na Cisjordânia. Dois israelenses,o motorista e uma professora, morreram no ato reivindicado pelo grupo palestino radical Jihad Islâmico. Também em um cruzamento viário no centro de Israel, perto de Netanya, um carro-bomba explodiu quando parou em um farol vermelho. O motorista palestino do veículo morreu e outros cinco automóveis, entre eles um ônibus, se incendiaram.A violência lança dúvidas sobre a realização de conversações para uma trégua destinadas a pôr um fim a 11 meses de conflitos. As conversações sobre a possível trégua entre o líder palestino Yasser Arafat e o chanceler israelense Shimon Peres. Elas seriam realizadas nos próximos dias, mas a data e o local ainda não haviam sido definidos quando dois representantes do primeiro-ministro de Israel, Ariel Sharon - o ministro de Segurança Interna, Uzi Landau, e Dani Naveh, sem pasta - pediram a anulação do encontro.O governo israelense responsabilizou Arafat por negar-se a deter os atacantes suicidas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.