Palestino invade missão turca em Israel

Homem com faca e arma de brinquedo é atingido na perna após ameaçar tomar reféns e queimar a embaixada caso não recebesse asilo na Turquia

AP e AFP, O Estado de S.Paulo

18 de agosto de 2010 | 00h00

TEL-AVIV

Um homem armado com uma faca e uma pistola de brinquedo invadiu ontem a Embaixada da Turquia em Tel-Aviv e tentou fazer reféns o embaixador turco e a mulher dele, antes de ser atingido por um disparo na perna, efetuado pelos seguranças do edifício.

Em um comunicado, a chancelaria israelense disse que o incidente terminou sem vítimas. Sete horas depois de invadir a missão diplomática, o palestino foi levado para o hospital em uma ambulância israelense, após ter sido contido pelos seguranças da embaixada.

O jornal israelense Maariv recebeu um telefonema do sequestrador, que teria se identificado como Nadim Injaz, um palestino de 32 anos que já havia buscado asilo, sem sucesso, na embaixada britânica em Tel-Aviv em 2006. Na época, ele ameaçou disparar contra a própria cabeça. Injaz teria passado um ano na prisão, de onde saiu há duas semanas, de acordo com o Canal 10 da TV israelense.

Desta vez, ele teria ameaçado incendiar a embaixada e "matar qualquer judeu" que se aproximasse. O jornal israelense Haaretz, disse que Injaz foi levemente ferido na perna por um disparo de arma de fogo.

O advogado Shafik Abuani afirmou à Rádio Israel que conversou três vezes com o sequestrador por telefone durante as negociações. Segundo ele, Injaz exigia ser levado para a Turquia de avião. Ele dizia estar sendo perseguido pela serviço de inteligência interna israelense, conhecido como Shin Bet.

Canais de televisão de Israel levaram ao ar gravações de áudio atribuídas a Injaz, nas quais ele dizia ter feito dois reféns e ameaçava "explodir a embaixada", caso sua reivindicação não fosse atendida.

Invasão. O sequestrador teria subido até o primeiro andar da embaixada turca, onde arrebentou uma vidraça para entrar em um dos cômodos.

O local foi imediatamente cercado por um esquadrão fortemente armado, enquanto helicópteros da polícia sobrevoavam o edifício incessantemente.

"Esta pessoa entrou à força em território turco e tentou fazer refém um de nossos diplomatas. Agora, estamos buscando mais informações para identificar essa pessoa, um homem, e saber quais eram suas intenções", disse uma fonte da diplomacia turca, que pediu para não ter seu nome revelado, logo após o incidente.

Na noite de ontem, o Ministério das Relações Exteriores de Israel disse que o homem estava sendo "submetido a um interrogatório", enquanto era realizada uma "investigação mais profunda sobre o incidente".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.