Palestino morre em tumulto na fronteira com o Egito

Um palestino morreu e pelo menos três ficaram feridos em um tumulto ocorrido nesta quinta-feira, 8, na passagem de Rafah, quando milhares de pessoas tentavam atravessar da Faixa de Gaza para o território egípcio.Fontes médicas disseram que a vítima mortal é uma pessoa idosa, embora se desconheça se morreu em meio à multidão concentrada no local.A passagem de Rafah se encontra entre a Faixa de Gaza e o Egito, e sua abertura ocorre de forma ocasional, por isso quando está aberta sua capacidade é excedida pelo número de viajantes.As testemunhas relataram que milhares de pessoas tinham se concentrado desde a manhã à espera de que a passagem fosse aberta e que em um determinado momento houve um tumulto."Houve resistências e empurrões por parte dos viajantes que tentavam avançar rumo ao lado egípcio", relatou uma das pessoas presentes.O porta-voz da missão de observação da União Européia (UE) no terminal de Rafah, José Vericat, disse que a passagem foi fechada de forma provisória, à espera de uma análise sobre a possibilidade de retomar seu funcionamento."Tivemos que suspender provisoriamente as operações", indicou Vericat.O representante da UE acrescentou que, por volta das 10h30 (5h30 de Brasília), a missão do bloco europeu se viu obrigada a interromper sua atividade, pois algumas pessoas não respeitaram as filas formadas por vários passageiros desde o começo da manhã e provocaram um tumulto seguido de resistências e desordens.Essa situação obrigou as forças de segurança palestinas que vigiam o terminal a efetuar vários disparos para o ar para dispersar a multidão, acrescentou o porta-voz.Vericat indicou que até o momento do fechamento da passagem, 180 pessoas tinham conseguido atravessar o terminal em direção ao território egípcio.Desde junho, a passagem fronteiriça, única saída de Gaza para o exterior, foi aberta de forma intermitente. Segundo os acordos que permitiram a abertura da passagem no final de 2005, sem os observadores europeus o terminal de Rafah não pode funcionar.Fontes de segurança da Autoridade Nacional Palestina (ANP) explicaram que ela própria, Israel e a missão da UE coordenaram a abertura do terminal esta semana por quatro dias, de terça a sexta-feira."No primeiro dia foram registrados alguns problemas e os egípcios decidiram fechá-lo na quarta-feira, por isso a acumulação de pessoas na quinta-feira era superior à normal", disse uma fonte da segurança palestina."Imagine o que é 20 mil pessoas passando por uma só porta", acrescentou a fonte.Depois do tumulto, o terminal foi fechado pela ANP e pela missão da UE, até que a situação seja controlada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.