Palestinos decidem ir ao lançamento do Acordo de Genebra

Na véspera da assinatura de um acordo de paz simbólico em Genebra, concluído por civis israelenses e palestinos, dois importantes negociadores palestinos só decidiram hoje, num último momento, comparecer ao ato.Enquanto prosseguia a violência em Gaza com a morte de um palestino em estranha explosão, Qadoura Fares, membro do gabinete palestino, e Mohamed Horani, outro destacado dirigente moderado, anunciavam sua decisão. Isso depois de terem recebido a bênção do presidente palestino, Yasser Arafat, apesar da dura oposição de radicais de seu partido, o Fatah. A ausência deles iria enfraquecer o impacto do lançamento do acordo.O chamado Acordo de Genebra delineia as fases para o estabelecimento de um Estado palestino, com a inclusão de concessões sem precedentes de ambas as partes, como a divisão de Jerusalém e o não repatriamento de refugiados palestinos. Uma pesquisa recente feita por dois institutos americanos revelou que uma ligeira maioria de israelenses e palestinos apóia o texto do acordo, que também recebeu elogios da comunidade internacional.O secretário de Estado dos EUA, Colin Powell, vai se reunir este mês com os promotores do acordo. Arafat apóia a iniciativa, mas não oficialmente, enquanto o primeiro-ministro israelense, Ariel Sharon, a rejeita categoricamente.MistérioO palestino morto em Gaza foi identificado como Yusuf Matar, de 25 anos, membro da Jihad Islâmica. O carro dele explodiu misteriosamente numa rua de Gaza. As autoridades palestinos investigam a hipótese de ataque israelense, embora nenhum helicóptero militar de Israel tenha sido visto na região.Ainda hoje, o enviado americano William Burns se reuniu em Jerusalém com o chanceler israelense, Silvan Shalom, depois de ter se encontrado na Jordânia com o premier palestino, Ahmed Qureia. Burns tenta conseguir que os dois lados retomem o "roteiro para a paz", um plano apoiado pelos EUA que contempla o estabelecimento de um Estado palestino em 2005.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.