Palestinos destroem muros da fronteira e entram em Gaza

Cerca de 1.500 palestinos cruzaram a Faixa de Gaza vindo do Egito depois que alguns deles destruíram parte do muro da fronteira que separa ambos territórios na passagem de Rafah, disseram fontes de segurança. Os palestinos, que estavam "presos" desde junho do lado egípcio da fronteira por causa da invasão militar israelense na Faixa de Gaza, puderam cruzar por uma brecha de 100 metros aberta no muro através de uma explosão, disse a fonte. Pelo menos 600 pessoas, a maioria delas estudantes e pacientes, presos na fronteira durante as semanas em que a passagem de Rafah estava fechada, passaram livremente pela fronteira entre Gaza e o Egito. Seis militantes palestinos armados, ficaram de guarda, periodicamente atirando para o alto. O militantes do Hamas disseram ter aberto a fronteira como um "presente" para o povo palestino.Carregando malas, alguns dos palestinos andavam de muletas, enquanto outro corriam em direção ao portão. Vários carros também foram vistos atravessando a fronteira em direção à Gaza.Policiais egípcios usaram gás lacrimogêneo para tentar dispersar a multidão, mas o fluxo de pessoas continuou. Segundo fonte egípcias, três oficiais foram baleados por homens palestinos armados.Israel começou uma campanha de assédio e bloqueio contra a Faixa de Gaza depois da captura de um de seus soldados, Gilad Shalit, durante um ataque palestino a um posto militar israelense, no dia 25 de junho.Segundo fontes de segurança da Autoridade Nacional Palestina (ANP), pelo menos 6 mil palestinos estavam "presos" no Egito, sem poder voltar para Gaza, devido ao fechamento de Rafah.Israel, que abriu a passagem por algumas horas do dia 6 de julho para atender "casos humanitários", havia proposto ao restante dos palestinos habilitar a passagem vizinha de Kerem Shalom, mas a ANP julgou essa oferta "inapropriada".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.