Palestinos disfarçados de soldados matam israelenses

Três palestinos vestidos como soldados de Israel infiltraram-se num posto do Exército e mataram quatro soldados israelenses antes de serem mortos. Trata-se do primeiro ataque grave contra israelenses desde a cúpula de paz ocorrida na semana passada.O tiroteio poderá representar um grande revés para o plano de paz patrocinado pelo governo dos Estados Unidos. O atentado ocorreu poucas horas depois de grupos armados palestinos terem avisado que se opunham ao plano. Três desses grupos - Hamas, Jihad Islâmica e a Brigada de Mártires Al-Aqsa - reivindicaram responsabilidade conjunta pelo ataque deste domingo.?Essa operação conjunta foi executada para confirmar a escolha de nosso povo pela guerra santa e resistência até que termine a ocupação de nossa terra e locais sagrados?, disse um panfleto.A brigada Al-Aqsa é ligada ao movimento Fatah, majoritário na Autoridade Nacional Palestina, e seu envolvimento no atentado mina a autoridade do primeiro-ministro da ANP, Mahmoud Abbas, um veterano da Fatah que se comprometeu com o plano de paz.?Se o terrorismo prosseguir, ele destruirá o caminho, destruirá o processo de paz?, disse o porta-voz do governo de Israel, Avi Panzer. Abbas, por sua vez, havia dito que resistiria à pressão para usar de violência contra os grupos armados. ?Não permitiremos que nos arrastem para uma guerra civil?, afirmou.O chanceler palestino, Nabil Shaath, acusou Israel de haver induzido os palestinos ao ataque, por manter as restrições impostas aos territórios ocupados e ao matar dois militantes do Hamas na cidade de Tulkarem, quinta-feira à noite.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.