Andrés Iamartino/Efe
Andrés Iamartino/Efe

Palestinos dizem ter votos suficientes no Conselho de Segurança da ONU

Mínimo de nove votos será garantido, diz ministro; EUA já prometeram usar poder de veto

Reuters

20 Setembro 2011 | 14h04

NOVA YORK - O ministro palestino das Relações Exteriores, Riyad al-Malki, expressou confiança nesta terça-feira, 20, de que sua delegação vai angariar o mínimo de nove votos necessários para obter o apoio do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) pelo reconhecimento do Estado palestino.

 

Veja também:

lista A busca pelo Estado palestino

lista GUSTAVO CHACRA: O Estado palestino

lista ENTENDA: O que os palestinos buscam na ONU
especialESPECIAL: As disputas territoriais no Oriente Médio

 

As resoluções do Conselho de Segurança precisam de nove votos no organismo formado por 15 nações para serem aprovadas, mas os Estados Unidos - um dos cinco membros permanentes com direito a veto - já disseram que vetarão a medida, o que impediria a sua aprovação. O Brasil ocupa atualmente uma das vagas rotativas do órgão e já reconheceu o Estado palestino.

 

Washington é aliado de longa data de Israel, e os israelenses, que se opõem à candidatura, por sua vez, disseram que os palestinos terão dificuldades para garantir o número mínimo necessário.

"Estamos trabalhando para isso (garantir os nove votos) e acho que conseguiremos", disse Malki, acrescentando que não considera a posição dos Estados Unidos imutável. "Esperamos que os americanos revisem sua posição e fiquem do lado da maioria das nações ou países que querem o apoio ao direito palestino de obter autodeterminação e independência", afirmou.

O presidente palestino, Mahmoud Abbas, pretende apresentar na sexta-feira ao secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, uma inscrição para que o Estado palestino se torne um membro pleno da ONU, o que será contestado por Israel e os EUA.

Israel, que pediu por novas negociações diretas com os palestinos, opõe-se à medida na ONU e diz que ela é destinada a deslegitimar Israel. Os palestinos afirmam que sua candidatura no órgão internacional tem como objetivo abrir as portas para novas conversas de paz entre dois iguais - ambos Estados soberanos.

A última rodada de negociações diretas entre Israel e os palestinos fracassou há um ano depois que Israel se recusou a renovar uma moratória a novos assentamentos em áreas desejadas pelos palestinos para um futuro Estado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.