Palestinos esperam fim de restrições de viagem

Israel prometeu levantar dentro de dois dias as restrições de viagem aos palestinos, informou hoje o presidente do parlamento palestino, Ahmed Qureia, depois de se reunir com altos funcionários israelenses. Qureia disse que a promessa foi formulada durante conversações mantidas ontem com o chanceler israelense, Shimon Peres. Os dois, juntamente com o ministro do gabinete palestino, Saeb Erekat, reuniram-se com a intenção de fortalecer uma trégua entre ambos os lados, que parecia ter chegado ao fim na semana passada depois de uma intensificação das hostilidades. "O lado israelense se comprometeu em começar a levantar as restrições nos próximos dois dias", disse Qureia à rádio palestina Uo. Qureia não entrou em detalhes, apenas explicou que as medidas formavam parte de um "pacote completo" de redução de restrições que seria posto em marcha nas próxima semanas. Israel não confirmou tais planos. Segundo a Rádio Israel, o primeiro-ministro Ariel Sharon se propõe a levar a questão à uma reunião ministerial programada para amanhã. O ministro da Defesa israelense, Binyamin Ben-Eliezer, disse ontem que o governo tomaria uma decisão nos próximos dias, mas que não levantaria as medidas de segurança em zonas de violência. As restrições de viagem atingiram em cheio a economia palestina, que depende em grande parte do elevado número de residentes da Cisjordânia e Gaza que trabalham em Israel. Cerca de 150.000 palestinos faziam diariamente a viagem a Israel antes do início da violência, em setembro de 2000. Hoje em dia, apenas poucos milhares têm permissão para entrar no Estado judeu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.