Palestinos esperam resolução contra assentamentos

Uma resolução condenando os assentamentos israelenses na Organização das Nações Unidas (ONU) deve ser posta em votação em fevereiro, com o apoio da Rússia e da França, afirmou hoje o negociador chefe dos palestinos, Saeb Erakat. Segundo ele, o Conselho de Segurança (CS) da ONU deve votar a resolução após um encontro do Quarteto para o Oriente Médio, o grupo internacional que apoia negociações de paz entre israelenses e palestinos.

AE, Agência Estado

19 de janeiro de 2011 | 17h00

Os membros do Quarteto - Rússia, EUA, União Europeia e ONU - devem se encontrar em 5 de fevereiro, na cidade alemã de Munique. Erakat disse que o presidente russo, Dmitry Medvedev, que visitou a Cisjordânia pela primeira vez ontem, "nos informou de que a Rússia votará a favor da resolução".

A França, que como a Rússia também é um membro permanente do CS, com poder de veto, disse ao presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, que planeja apoiar a resolução, disse Erakat. Os cinco membros permanentes do CS são EUA, França, Rússia, Grã-Bretanha e China.

Mas a posição dos EUA, que geralmente veta resoluções da ONU dirigidas a Israel, permanece uma incógnita, segundo o negociador palestino. Erakat disse que a resolução deve ser apresentada ao CS "nos próximos dias".

Os palestinos, com apoio da Liga Árabe, buscam uma resolução condenando as construções israelenses em assentamentos, em áreas que os palestinos querem como parte de seu futuro Estado independente. Washington reconheceu recentemente que fracassou em sua tentativa de congelar as obras em assentamentos.

Uma moratória de dez meses nas construções na Cisjordânia acabou no final de setembro. Com isso, as negociações diretas entre os dois lados sucumbiram novamente, apenas três semanas após serem retomadas. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
ONUassentamentospazpalestinosIsrael

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.