Palestinos fogem da Faixa de Gaza para abrigos da ONU

Esta é a pior crise entre Israel e Palestina em dois anos; mais de 165 palestinos morreram, e mais de mil pessoas ficaram feridas

Agência Estado

13 Julho 2014 | 08h49

Atualizada às 15h53.

Milhares de palestinos do norte da Faixa de Gaza fugiram de suas casas para abrigos das Nações Unidas, após o exército israelense alertar os moradores com panfletos e chamadas telefônicas para evacuarem a área antes de uma ofensiva intensificada na região. A pior crise entre Israel e Palestina em dois anos não mostrou sinais de enfraquecimento.

As vias de saída da cidade agrícola de Beit Lahiya se encheram de carros, carroças e motos. Ignorando os apelos do governo do Hamas para ficarem, moradores fizeram suas malas e deixaram a região logo nas primeiras horas deste domingo, ainda ao ouvirem tiroteios entre militantes e soldados israelenses.

Panfletos advertiam para uma investida "curta e temporária" contra os militantes, acrescentando que aqueles que ignorassem o aviso estariam colocando em risco suas vidas e a de familiares. 

A agência de refugiados da ONU estima que 4 mil pessoas tenham chegado aos abrigos no meio da manhã, e apelou a ambas as partes para que respeitem a "inviolabilidade" dos abrigos. 

O recente confronto entre Israel e o Hamas chega ao sexto dia. O número de palestinos mortos continua a subir, passando de 165, e mais de mil pessoas ficaram feridas, de acordo com o Ministério da Saúde de Gaza. A ONU informou que 70% das mortes foram de civis.

Com a escalada da violência na região, crescem os esforços diplomáticos para estabelecer um cessar-fogo. Neste sábado, em conversas com o ex-primeiro-ministro britânico Tony Blair, o presidente do Egito, Abdel Fattah Al Sisi, se ofereceu para mediar a negociação de uma trégua entre Israel e o Hamas. Apesar do esforço, uma fonte diplomática dos Estados Unidos disse que a negociação para um cessar-fogo ainda estava nos estágios iniciais. Fonte: Dow Jones Newswires.

Mais conteúdo sobre:
IsraelFaixa de GazaHamas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.