Palestinos mortos já passam de 700

Israel permite entrada de ajuda humanitária em Gaza por 3 horas

Reuters, AFP e AP, Gaza, O Estadao de S.Paulo

08 de janeiro de 2009 | 00h00

Com as 29 vítimas registradas ontem, o número de palestinos mortos nos 12 dias da ofensiva israelense contra Gaza já passa de 700, incluindo 220 crianças, segundo fontes médicas palestinas. Há mais de 3.100 feridos.Do lado israelense, o total de mortos manteve-se em 10, com 6 baixas militares desde o início da ofensiva terrestre, no sábado.Ontem, Israel permitiu por três horas a abertura de um corredor humanitário para levar suprimentos à população. Centenas de palestinos aproveitaram o momento de calma para comprar mantimentos nas poucas lojas abertas. Mas, após o fim do prazo a Força Aérea israelense voltou a bombardear e o Hamas reiniciou os disparos de foguetes.Panfletos foram jogados por aviões israelenses alertando civis da cidade de Rafah a abandonar suas casas antes da retomada dos bombardeios. "Em razão de o Hamas usar casas para esconder armas, o Exército de Israel atacará a área entre a fronteira com o Egito e a praia", diziam os avisos.Após o alerta de Israel, cerca de 5 mil civis buscaram abrigo em escolas da ONU. Na terça-feira, disparos de um tanque israelense mataram 43 pessoas que haviam se refugiado em duas escolas da ONU.Após anunciar o ataque a Rafah, a aviação israelense destruiu 16 casas na região que supostamente escondiam entradas de túneis usados para traficar armas do Egito. "Senti o chão tremer e começamos a escutar os ataques. Todos ficaram apavorados", contou Fida Kishta, moradora de Rafah.Israel afirma que só aceitará um acordo de cessar-fogo que seja capaz de impedir o contrabando de armas do Hamas a partir do Egito. Holanda e Dinamarca já propuseram uma força internacional coordenada pela União Europeia para controlar a fronteira sul de Gaza.O Hamas lançou ontem pelo menos 25 foguetes, segundo o jornal Haaretz, contra cidades do sul de Israel, como Ashkelon e Bersheva. O número de disparos do grupo palestino foi reduzido desde o início da ofensiva israelense, mas o alcance dos projéteis nunca foi tão longo. Na madrugada de hoje, Israel intensificou sua ofensiva contra o sul de Gaza, com o envio de dezenas de tanques a Khan Yunes e ataques aéreos em Rafah.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.