Palestinos pedem a Bush que reconsidere garantias a Israel

O primeiro-ministro da AutoridadeNacional Palestina (ANP), Ahmed Qureia, pediu ao presidente dosEstados Unidos, George W. Bush, que reconsidere seureconhecimento tácito aos assentamentos judaicos naCisjordânia. Em uma carta a Bush, Qureia também alertou que o planoisraelense de retirada da Faixa de Gaza transformaria a regiãoem uma "imensa prisão", já que Israel manteria o controle sobrea costa, o espaço aéreo e os entroncamentos de fronteira depoisde retirar-se da região. Qureia pediu ainda a retomada das negociações de paz. Em uma reunião com o primeiro-ministro de Israel, Ariel Sharon realizada na semana passada em Washington, Bush aceitou que oEstado judeu mantenha cinco de suas maiores colônias naCisjordânia em um futuro acordo de paz. A declaração de Bush representou uma drástica mudança em umapolítica mantida havia décadas pelos Estados Unidos, que antesconsideravam as colônias judaicas um obstáculo para a paz noOriente Médio. Bush também acatou a visão israelense de que os milhões derefugiados palestinos e seus descendentes não devem serreassentados em Israel. As concessões de Bush a Israel com relação a dois dos maissensíveis pontos do conflito no Oriente Médio enfureceram ospalestinos. "Eu respeito sua determinação em encontrar uma forma desolucionar o conflito entre israelenses e palestinos e esperoque você reconsidere as novas garantias feitas pelaadministração americana ao governo israelense", escreveuQureia. De acordo com o primeiro-ministro da ANP, as concessões deBush "aceitam que os assentamentos mudem o resultado denegociações de temas permanentes como as fronteiras, permitindoa Israel que continue criando fatos consumados". Depois de meses de impasse nas negociações de paz, Sharonapresentou uma proposta unilateral que prevê uma retirada totalda Faixa de Gaza como parte de um plano de "desengajamento" paraseparar israelenses e palestinos. Sharon alega ser impossível chegar a um acordo com os atuaislíderes palestinos, a quem acusa de "patrocinar o terrorismo". Bush apoiou o plano de desengajamento na semana passada. Em sua carta, Qureia alerta que o plano transformaria Gaza emuma prisão. "Israel continuaria controlando as fronteiras, o espaço aéreoe as águas territoriais da Faixa de Gaza. Isso impede opotencial da Faixa de Gaza para transformar-se no modelo de umfuturo Estado palestino." Qureia reafirmou que a ANP continua comprometida com oprocesso de paz e está pronta para retomar as negociações apartir dos termos estabelecidos em Taba, Egito, no início de2001. As negociações em Taba geraram acordos sobre diversas questõespolêmicas, mas desabaram em meio a divergências com relação aodestino dos refugiados palestinos e à partilha de Jerusalém.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.