Palestinos pedem a Israel que apresente mapa fronteiriço

Os palestinos pediram hoje aos Estados Unidos e a Israel que informem quais são as fronteiras do Estado de Israel, após Washington ter pedido à Autoridade Nacional Palestina (ANP) que reconsidere o pedido israelense de reconhecimento como um "Estado judeu" em troca de uma possível extensão na proibição às construções nos assentamentos judaicos na Cisjordânia.

AE, Agência Estado

13 de outubro de 2010 | 15h52

"Nós pedimos oficialmente que a administração norte-americana e o governo de Israel providenciem um mapa das fronteiras do Estado de Israel, o qual eles querem que nós reconheçamos", disse o funcionário palestino Yasser Abed Rabbo, da ANP.

Os comentários de Rabbo foram feitos após o Departamento de Estado dos EUA ter pedido aos palestinos que estendam a contraproposta de Israel para ser reconhecido como "Estado judeu". Os palestinos rejeitam o pedido americano, dizendo que o reconhecimento da identidade judaica de Israel não tem relação com o processo de paz. Os palestinos pediram à administração norte-americana que determine as linhas da fronteira de 1967 como o ponto de partida para as negociações finais de limites fronteiriços entre Israel e um futuro Estado da Palestina.

"Nós queremos saber se esse Estado (Israel) inclui nossas terras e casas na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental", disse Abed Rabbo, referindo-se às terras palestinas ocupadas por Israel durante a Guerra dos Seis Dias em 1967. "Se esse mapa for baseado nas fronteiras de 1967 e significar o fim da ocupação israelense em todas as terras palestinas, então nós reconhecemos Israel sob qualquer nome que ele denomine a si próprio, de acordo com a lei internacional", disse o negociador palestino, sem dar detalhes. "Esperamos uma resposta de Tel-Aviv e de Washington".

Questionado sobre os comentários de Abed Rabbo, o chefe da Casa Civil de Israel, Silvam Shalom, disse que é "inaceitável a volta às linhas de junho de 1967". As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.