Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Palestinos pedem ação de Europa e EUA

O ministro de gabinete palestino Saeb Erekat pediu nesta quinta-feira à Europa e aos Estados Unidos que redobrem esforços para a retomada do processo de paz no Oriente Médio e reconstruam a confiança entre israelenses e palestinos após meses de combates que já deixaram centenas de mortos.Erekat - falando em nome do presidente da Autoridade Palestina Yasser Arafat, que está confinado em Ramallah e cercado por tanques israelenses - disse à Assembléia Parlamentar do Conselho da Europa que apenas as negociações de paz serão capazes de solucionar os problemas entre israelenses e palestinos."Não conheço nenhuma outra forma de reviver as esperanças além do processo de paz. Este é o único objetivo ao qual deveríamos aspirar neste momento", disse Erekat à assembléia de 602 deputados.Em resposta a declarações feitas pelo ministro israelense das Relações Exteriores, Shimon Peres, que discursou para os parlamentares europeus na quarta-feira, Erekat disse que as negociações deveriam ser retomadas imediatamente.Peres pediu a Arafat que contenha os extremistas e condicionou o reinício das negociações de paz ao fim da violência. "Temos muito a ganhar e não consigo mais entender o raciocínio daqueles que apóiam a imposição de condições às negociações", retrucou Erekat.De acordo com ele, quanto mais os dois lados se afastarem das negociações de paz, mais populares ficarão os extremistas dos dois lados, ampliando o ciclo de violência. Erekat diz que Israel impossibilita as ações de Arafat e da Autoridade Palestina para conter a violência quando impõe restrições ao direito de ir e vir e destrói propriedades palestinas como helicópteros, emissoras de rádio e televisão e o porto e o aeroporto de Gaza. "Estamos com uma grande responsabilidade sobre nossos ombros. Se Arafat ou a Autoridade Palestina caírem, vocês não encontrarão nenhum palestino disposto a negociar durante as próximas cinco décadas."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.