Mohamed Torokman/Reuters
Mohamed Torokman/Reuters

Palestinos pedem que o mundo 'pague sua dívida histórica' pela Nakba

Em passeatas e manifestações, povo lembra de exílio e usurpação de suas terras

15 Maio 2012 | 13h56

TEL-AVIV - O chefe negociador palestino, Saeb Erekat, pediu nesta terça-feira, 15, que a comunidade internacional "pague sua dívida histórica com o povo palestino" pela Nakba (catástrofe), o exílio e a usurpação de suas terras que os palestinos lembram hoje com passeatas e manifestações.

"Há 64 anos, a vibrante sociedade e a rica cultura de uma nação foi forçada ao exílio e à expulsão em massa. Um país foi riscado do mapa. Hoje, a comunidade internacional tem a responsabilidade moral de reparar o que aconteceu", ressaltou Erekat em comunicado.

A forma de corrigir esta injustiça é "pôr fim à impunidade de Israel e tornar efetivas as legítimas aspirações do povo palestino de autodeterminação, independência e retorno", acrescentou Erekat, um dos principais assessores do presidente Mahmoud Abbas e membro do Comitê Central da Organização para a Libertação da Palestina (OLP).

A Nakba, que representou a fuga ou expulsão de seus lares no atual território de Israel de 750 mil palestinos entre 1947 e 1949, é uma "sombria ocasião que a comunidade internacional deve usar para corrigir a injustiça histórica que caiu sobre o povo palestino", continuou o dirigente palestino.

Desde então, Israel ignorou dezenas de resoluções da ONU, o que representou uma "burla do sistema internacional e uma ameaça à paz internacional", sentenciou Erekat.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.