Palestinos prendem traficantes; Israel quer prisão de terroristas

Policiais palestinos prenderam hoje traficantes de armas e fecharam dois túneis na Faixa de Gaza, segundo informações dos oficiais de segurança. Os túneis eram usados para contrabando de armas e drogas, do Egito, pela Faixa de Gaza, até Rafah, ao Sul. Os túneis foram fechados com areia, pedras e cimento. Várias prisões foram feitas em Rafah, e as forças de segurança também detiveram várias pessoas envolvidas no comércio de armas. Os oficiais não disseram quantas pessoas foram levadas sob custódia. A violência está ameaçando os planos de paz dos Estados Unidos, o Mapa da Paz, para a criação de um Estado Palestino em 2005. O ministro das Relações Exteriores de Israel, Gideon Meir, disse que a ação de hoje não foi suficiente, e que Israel espera que o chefe da segurança palestino, Mohammed Dahlan, prenda os envolvidos nos ataques violentos a Israel. ?Esperamos que Dahlan pegue seus 20 mil homens e comece a prender os terroristas?, disse. ?Não precisamos de mais palavras.?O membro do governo palestino Saeb Erekat disse que o fechamento dos túneis reflete a determinação da Autoridade Palestina em aplicar a lei. ?O obstáculo para isso agora são as incursões da polícia israelense, assassinatos, construção de muros e a não obediência ao Mapa da Paz?, afirmou. Uma fonte da segurança israelense, falando em condição de anonimato, disse que Dahlan prometeu agir contra os contrabandistas de armas. Ele também ordenou forças para prevenir o disparo de mísseis domésticos de Gaza para Israel, disse o oficial. Esses mísseis estimularam Israel a enviar tanques às fronteiras de Gaza, em sinal de que poderia pegar de volta partes da região, se o bombardeio continuar. ?Recebemos mensagens dos palestinos, através dos americanos, que Dahlan promete agir esta noite contra os túneis?, disse o oficial. ?Esta semana ele assumirá o controle das instalações do Hamas e da Jihad Islâmica, e vai confiscar as armas?.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.