Palestinos prometem eleições se Israel se retirar

As eleições gerais palestinas se realizarão possivelmente em outubro se Israel se retirar das cidades da Cisjordânia dentro de seis semanas, anunciou nesta sexta-feira o ministro de Relações Exteriores da Autoridade Palestina, acrescentando que o líder Yasser Arafat será o candidato do partido Fatah à presidência. Os primeiros-ministros israelense e palestino, Ariel Sharon e Mahmoud Abbas, se reunirão na próxima terça-feira para tratar da retirada da tropas israelenses. Na semana passada, as forças israelenses se retiraram de partes de Gaza e da cidade de Belém, na Cisjordânia. Como parte do plano de paz, apoiado pelos EUA, Israel deve voltar às posições anteriores à explosão da violência em setembro de 2000. Os palestinos, por sua vez, devem desmantelar os grupos extremistas, entre eles o Hamas, a Jihad Islâmica e as Brigadas dos Mártires de Al-Aqsa, uma milícia ligada ao Fatah. Embora os três grupos tenham anunciado uma trégua temporária com Israel, alguns dissidentes da Al-Aqsa lançaram alguns ataques, incluindo um a tiros na Cisjordânia. Em protesto contra a detenção de sete rebeldes do Fatah na quarta e quinta-feiras, em cumprimento à promessa da Autoridade Palestina de controlar os violadores da trégua, vários palestinos armados deram tiros para o ar e detonaram granadas de fabricação caseira no território na quinta-feira à noite, mas não entraram em choque com a polícia. Em novos ataques nesta sexta-feira, um míssil disparado a partir de Gaza caiu em uma zona agrícola num povoado israelense - disse o Exército -, e nos arredores de Rafah, no sul de Gaza, os palestinos dispararam mísseis antitanques, granadas contra um posto militar israelense, mas ninguém ficou ferido nos incidentes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.