Palestinos protestam na Cisjordânia contra veto americano na ONU

Decisão de vetar denúncia a assentamentos israelenses causou indignação em autoridades e cidadãos palestinos.

Guila Flint, BBC

20 de fevereiro de 2011 | 19h39

Palestinos foram às ruas contra a decisão americana na ONU

Cerca de 3 mil palestinos protestaram neste domingo na cidade de Ramallah, na Cisjordânia, contra o veto dos Estados Unidos que bloqueou a denúncia dos assentamentos israelenses pelo Conselho de Segurança da ONU, na última sexta-feira.

A manifestação, que aconteceu na Praça Manara, no centro de Ramallah, teve o apoio da Autoridade Palestina e a participação de lideres importantes do Fatah, partido do presidente Mahmoud Abbas.

Os manifestantes gritavam palavras de ordem contra o governo americano como "Fora Obama".

A proposta de denúncia à politica israelense de colonização dos territórios ocupados foi aprovada por 14 dos 15 membros do Conselho de Segurança, porém o veto americano bloqueou a resolução, que também havia sido apoiada por mais de 120 países.

A expansão dos assentamentos na Cisjordânia é considerada o principal obstáculo para a retomada das negociações de paz entre israelenses e palestinos, suspensas em setembro de 2010.

Telefonema

Segundo a mídia local, o presidente americano Barack Obama telefonou na sexta feira ao presidente palestino Abbas, e em uma conversa de uma hora tentou convencê-lo a retirar a proposta de denúncia a Israel.

De acordo com os líderes palestinos, Obama chegou a dizer que, se a proposta não fosse retirada, o governo americano suspenderia o apoio econômico à Autoridade Palestina.

No entanto, o presidente palestino rejeitou o pedido de Obama e resolveu ir adiante com a proposta, depois de obter o apoio unânime das lideranças do Fatah e da Organização pela Libertação da Palestina (OLP).

Neste domingo o primeiro-ministro palestino, Salam Fayyad, reagiu em termos duros e sem precedentes à posição de Obama.

"Considero isso (a ameaça de Obama) ofensivo, não estamos dispostos a comprometer nosso projeto nacional por um punhado de dólares", declarou Fayyad.

Após a votação no Conselho de Segurança, o representante palestino na ONU, Riyad Mansour, declarou que "o Conselho de Segurança fracassou em sua reação à crise entre israelenses e palestinos pois não enviou uma mensagem clara e enérgica de que Israel deve parar com as violações e os obstáculos ao processo de paz".

"Tememos que a mensagem enviada pela Conselho de Segurança só incentive a intransigência de Israel e sua certeza de que poderá ficar impune", afirmou Mansour.

Já o governo israelense elogiou o veto e agradeceu ao governo americano pela medida que tomou.

"Apreciamos profundamente a posição dos Estados Unidos", anunciou o primeiro ministro de Israel, Binyamin Netanyahu.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.