Palestinos sepultam mortos e pedem paz

Palestinos sepultaram neste sábado seis jovens mortos em alguns dos piores confrontos internos dos últimos anos enquanto um segundo grupo militante anunciou estar pronto para atender a um pedido de Arafat para que sejam interrompidos todos os ataques contra Israel. Durante o último levante palestino, a maior parte dos funerais de vítimas dos confrontos foi acompanhada por disparos para o ar efetuados por militantes. Mas as milhares de pessoas que participaram das seis cerimônias realizada em Gaza e seus arredores não levavam armas neste sábado.Todas as procissões fúnebres terminaram sem nenhum incidente. Na semana passada, o líder palestino Yasser Arafat pediu o fim dos ataques contra Israel. Em seguida, operações de busca da polícia palestina gereram brigas internas que deixaram sete mortos e 100 feridos entre quinta e sexta-feiras. Ontem, o grupo militantes Hamas informou que estavam suspensos os ataques contra Israel em favor da unidade palestina. A Jihad Islâmica distribuiu panfletos durante os funerais de hoje nos quais informava que faria sua parte para evitar criar divisões entre os grupos palestinos. Ainda neste sábado, no centro de Gaza, soldados israelenses pararam diversos carros nas proximidades de um assentamento judaico e prenderam seis palestinos, informaram fontes. O Exército disse estar checando a informação. Arafat, por sua vez, disse pretender fazer sua visita anual de Natal ao tradicional local do nascimento de Jesus, em Belém, com ou sem a aprovação do Estado judeu, que controla as rodovias de acesso à cidade cisjordaniana. "Eu irei a Belém mesmo que Israel não queira", disse ele a um jornalista da Associated Press. "Irei nem que seja a pé!"

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.