Palestinos vão investigar morte de observadores

A Autoridade Palestina afirmou que vai investigar o assassinato de dois membros de uma força de observadores internacionais - um turco e uma suíça - que foram mortos a tiros numa armadilha montada numa estrada vicinal, por um homem que vestia o uniforme da polícia palestina. As vítimas foram identificadas como Catherine Berruex, da Suíça, e o major Cengiz Toytunc, da Turquia. Os dois foram mortos a tiros na terça-feira à noite, dentro de um carro perto da cidade de Hebron, na Cisjordânia, onde a força de observadores - conhecida como Presença Internacional Temporária em Hebron (PITH) - fica baseada. O terceiro passageiro, o capitão Huseyin Ozaslan, disse à Rádio Israel que um homem, vestido com o uniforme da polícia palestina, estava no meio da estrada, freqüentemente usada pelos colonos judeus, e disparou pelo menos 30 tiros no veículo, marcado com a sigla PITH. "Dissemos a ele que éramos da PITH, mas ele não se importou, continuou a atirar contra o nosso carro", afirmou Ozaslan. O homem armado estava a cerca de cinco metros do veículo quando atirou.Colonos judeus que viajam pelas estradas da Cisjordânia têm sido alvos freqüentes dos tiros dos militantes palestinos, nos últimos 18 meses de combates. Nenhum grupo palestino reivindicou a utoria dos disparos. A investigação será feita pelos serviços de segurança palestinos e pela PITH, disse Abdel Fatah Jaeidi, chefe da segurança palestina em Hebron. Jaeidi disse que não havia provas de que os palestinos estivessem envolvidos nos disparos. O ministro do gabinete palestino Saeb Erekat afirmou que colonos judeus que operam contra árabes na área de Hebron às vezes se disfarçam de palestinos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.