Palin diz que ela e McCain vão 'chacoalhar as coisas'

Em sua primeira aparição públicadesde o discurso de aceitação da candidatura republicana, avice-presidente dos Estados Unidos, Sarah Palin prometeu naquinta-feira que ela e o colega de chapa John McCain vão"chacoalhar as coisas" ao controlarem os gastos públicos. Palin fez essa declaração num almoço com oito governadoresrepublicanos em Minneapolis, e em seguida voltaria a Sain Paulpara assistir ao discurso de McCain no encerramento daconvenção republicana. "Se eleitos, vamos chacoalhar as coisas e vamos colocar ogoverno novamente ao lado do povo, e estou ansiosa por isso",disse ela, lendo um discurso de cerca de cinco minutos. Ela disse que, como governadora do Alasca nos últimos doisanos, vetou projetos e propostas que gastariam centenas demilhões de dólares sem serem do interesse público. "O senador McCain promete usar o poder de veto também emdefesa do interesse público. Posso lhe assegurar que funciona,e vou continuar a lhe assegurar de que o poder de vetofunciona", disse ela. Em quase oito anos de governo Bush, a dívida pública dosEUA disparou, pois ele cortou impostos e aumentou gastos --principalmente na impopular guerra do Iraque. Tanto McCain quanto seu rival democrata, Barack Obama,prometem conter o excesso de gastos públicos. A campanha republicana autorizou que um pequeno grupo dejornalistas ouvisse o pronunciamento de Palin, mas avisou queela não responderia a perguntas -- como em geral tem evitadodesde que foi indicada candidata a vice, na sexta-feirapassada. No final do evento, num espaço de exposições à meia-luzdentro do Museu de Arte Russa, ela brincou com um jornalista deTV do Alasca sobre o fato de estar promovendo o Estado ao fazercampanha para vice-presidente. A candidata também lançou um apelo por doações,argumentando que a disputa deve ser muito acirrada e que osdemocratas estão gastando quantias inéditas para convencer oseleitores a votar em 4 de novembro. Em breve McCain e Palin terão de interromper a arrecadaçãojunto a fontes privadas, para poderem usar a verba pública decampanha. Adversários democratas dizem que, como governadora, Palinse empenha em levar para o Alasca o tipo de emenda orçamentáriaclientelista que agora ela critica.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.