Palin promete vencer 'guerra econômica' nos EUA

A candidata republicana a vice-presidente dos EUA, Sarah Palin, comparou na quarta-feira os esforços de recuperação econômica a uma "guerra", e disse que seu colega de chapa John McCain vai vencer. "Vamos ganhar a guerra econômica em que estamos", disse a governadora do Alasca a centenas de seguidores em Dover, New Hampshire, na busca pelo famoso eleitorado independente do Estado, um dos vários ainda indefinidos na eleição de 4 de novembro. Em 2000, George W. Bush venceu em New Hampshire por apenas 7.000 votos. Quatro anos depois, o democrata John Kerry ganhou por 9.000, mas perdeu a eleição nacional. Embora tenha apenas 4 dos 538 votos do Colégio Eleitoral, o Estado pode ser decisivo numa disputa apertada, a exemplo de outros lugares estratégicos, como Virgínia, Nevada e Colorado. O candidato democrata a vice-presidente, Joe Biden, fará na segunda-feira um comício em Rochester, New Hampshire, e na quinta-feira o candidato do partido a presidente, Barack Obama, deve discursar sobre a economia dos EUA em Londonderry, no sul do Estado. Ambas as campanhas tentam convencer o eleitorado deste Estado rural e montanhoso de que eles representam a melhor alternativa para a classe trabalhadora. Palin traçou paralelos entre New Hampshire e o Alasca, inclusive no interesse pela caça aos alces. Disse que o seu Estado deveria adotar o lema de New Hampshire: "Viver livres ou morrer". "Sei que posso contar com a boa gente de New Hampshire porque vocês são muito parecidos com a gente do Alasca", disse ela, sem levar em conta a distância superior a 7.000 quilômetros que separa os dois Estados. Num momento em que as pesquisas apontam um salto expressivo de Obama, Palin apresentou McCain como sendo o azarão que vai acabar recebendo o voto de quem está com raiva da economia, da "corrupção" em Washington e da "fraude eleitoral". "John McCain vai transformar essa raiva em ação", disse ela.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.