EFE/Alejandro Bolívar
EFE/Alejandro Bolívar

Panamá concede asilo a dois magistrados venezuelanos que solicitaram proteção

Juízes nomeados pelo Parlamento para o Tribunal Supremo de Justiça alegaram 'constantes ameaças e intimidações' e 'atroz perseguição' do governo de Nicolás Maduro, segundo decreto do Executivo panamenho publicado na Gazeta Oficial do país

O Estado de S.Paulo

04 Agosto 2017 | 12h47

CIDADE DO PANAMÁ - O Panamá concedeu asilo a dois magistrados venezuelanos designados pelo Parlamento ao Tribunal Supremo de Justiça (TSJ). Eles ingressaram na residência e missão diplomática do embaixador em Caracas para solicitar proteção no país centro-americano, informou nesta sexta-feira, 4, o Ministério de Relações Exteriores panamenho.

Em um comunicado, a chancelaria indicou que se trata do magistrado suplente e advogado da Procuradoria-Geral da Venezuela, Gustavo Sosa Izaguirre, e do magistrado suplente da Sala Político-administrativa do TSJ, Manuel Antonio Espinoza Melet, que solicitaram proteção perante a crise que assola o país.

"Outorgamos asilo aos juízes em solidariedade com o povo venezuelano neste momento em que urge o apoio da comunidade internacional", escreveu em sua conta no Twitter a vice-presidente e chanceler do Panamá, Isabel De Saint Malo.

Sosa, um dos solicitantes, denunciou "constantes ameaças e intimidações de funcionários do alto escalão do governo venezuelano e de militantes do partido governista" enquanto que Espinoza alegou uma "atroz perseguição" contra os juízes e suas famílias, segundo o decreto do Executivo panamenho publicado nesta sexta na Gazeta Oficial do país.

A anúncio da concessão do asilo aos magistrados foi feito no mesmo dia em que o governo de Nicolás Maduro instala na Venezuela a Assembleia Constituinte que reformará a Carta do país, uma iniciativa amplamente rejeitada pela oposição e por grande parte da comunidade internacional.

O Panamá também reiterou ao governo venezuelano o pedido para que "negocie uma saída política dentro da Constituição vigente da Venezuela" no mais "estrito respeito aos direitos humanos", segundo a chancelaria.

O Chile é outro país ao qual os magistrados indicados pelo Parlamento ao TSJ tem recorrido para evitar a prisão na Venezuela. Na quinta-feira, o governo de Michelle Bachelet informou que um quinto juiz procurou sua representação em Caracas em busca de proteção.

Ao contrário do Panamá, no entanto, o país não informou até o momento sobre o recebimento ou a concessão de asilo para os juízes. / EFE e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.