Panamá pede ajuda à China para investigar envenenamentos

O Panamá pediu nesta quinta-feira à China assistênciajudicial para avançar na investigação da morte de 50 panamenhos que consumiram remédios do Seguro Social contaminados com um álcool industrial de origem chinesa.O Ministério de Relações Exteriores do Panamá informou emcomunicado que a solicitação de assistência judicial internacional foi enviada à China, mas não deu mais detalhes."A assistência legal é parte das investigações sobre a morte das pessoas que sofreram de insuficiência renal aguda e transtorno neurológico, atribuídos ao dietilenoglicol", diz a nota.O dietilenoglicol, um álcool de uso industrial, foi encontrado em remédios da Caixa de Seguro Social, em lugar de glicerina pura. O seu consumo causou dezenas de mortes desde meados do ano passado.O Ministério Público (MP) acusou no ano passado de crime contra a saúde pública os diretores da empresa panamenha Medicom, importadora da matéria-prima utilizada na elaboração dos remédios.Até agora foram detidos quatro chefes do Laboratório de Produção de Remédios da CSS e quatro do Grupo Medicom.A Medicom anunciou que vai processar a companhia RasferInternacional, por supostamente ter vendido dietilenoglicolelaborado na China em vez de glicerina pura.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.