Rene Rossignaud / AP
Rene Rossignaud / AP

Panamá tira registro de navio usado para salvar imigrantes no Mediterrâneo e culpa Itália

Embarcação não poderá navegar por pressão política, segundo panamenhos

Jamil Chade, correspondente / Genebra, O Estado de S.Paulo

23 Setembro 2018 | 19h03

GENEBRA - A Autoridade Marítima do Panamá retirou o registro do navio Aquarius 2, usado no Mediterrâneo para salvar imigrantes e resgatar barcos que estão naufragando entre o norte da África e o sul da Europa. Com a exclusão, a rota entre a Líbia e o continente europeu ficará sem um barco de resgate de entidades independentes. 

Ao longo dos últimos dois anos, por pressão política, mais de uma dezena de embarcações foram impedidas de atuar. O Aquarius transporta hoje 58 sobreviventes. Na prática, quando o barco ancorar pela próxima vez em um porto, sua bandeira será retirada e não poderá mais navegar. 

A ONG SOS Mediterranee, uma das entidades que administram o barco, denunciou que o Panamá foi forçado a revogar o registro “sob pressão política e econômica flagrante do governo italiano”. A autoridade panamenha se justificou: “Infelizmente, é necessário que o Aquarius seja excluído de nosso registro, porque significa um problema político para o governo panamenho e para as embarcações panamenhas que chegam aos portos europeus”. 

O ministro do Interior italiano, Matteo Salvini, garantiu que não houve pressão. Mas acusou o Aquarius 2 de ter ignorado instruções da guarda costeira da Líbia e minado o trabalho das autoridades. “Eles podem mudar o nome do barco e a bandeira outras mil vezes. Mas os portos italianos ficarão fechados a eles”, disse, de acordo com a imprensa italiana. Há dois meses, ele acusou o barco de ser um “serviço de táxi” para migrantes. 

Reveja: polêmica em alto mar

O governo italiano ameaçou recentemente vetar o orçamento da União Europeia se não houvesse uma ofensiva contra a imigração. “Esta situação condena centenas de homens, mulheres e crianças, que buscam desesperadamente segurança, à morte no mar e é um forte golpe contra o trabalho do Aquarius”, disse a SOS Mediterranee.

Desde o começo do ano, mais de 1,2 mil pessoas se afogaram ao tentar cruzar o Mediterrâneo. “A chance de afogamento hoje é três vezes maior do que para os que fizeram o mesmo trajeto em 2015”, indicou a ONU em comunicado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.