Washington Post photo by William Booth
Washington Post photo by William Booth

Pandemia leva pub de 12 séculos a fechar as portas na Inglaterra

Christo Tofalli, que assumiu a administração do pub em 2012, disse ao Washington Post que a pandemia e as restrições sanitárias complicaram a saúde financeira do estabelecimento

Annabelle Timsit, The Washington Post, O Estado de S.Paulo

08 de fevereiro de 2022 | 05h00

O pub Ye Olde Fighting Cocks, em St. Albans, já viu de tudo: desde que seu primeiro tijolo foi assentado, possivelmente no ano 793, próximo às ruínas de uma antiga cidade romana, muito antes de a Inglaterra ser formada, o bar sobreviveu a guerras civis e conflitos mundiais, à escassez de alimentos e à peste bubônica.

Mas as agruras da pandemia de covid significaram que o pub – classificado pelo Guinness World Records como o mais antigo da Inglaterra, apesar de haver quem conteste esse título – está fechando suas portas.

Christo Tofalli, que assumiu a administração do pub em 2012, disse ao Washington Post que a pandemia e as restrições sanitárias complicaram as contas do estabelecimento, até que ele passou a não conseguir pagar suas obrigações financeiras.

A falência deixa a empresa Mitchells & Butlers, dona do pub, aberta para buscar uma nova gerência para o negócio de mais de 1.200 anos. A temporada de Natal, afirmou Tofalli, foi a “última chance” de resgatar o Ye Olde Fighting Cocks, afetado pelos lockdowns, distanciamento social e restrições de capacidade.

Fechamento das portas

No entanto, com a variante Ômicron mantendo as pessoas em casa, segundo ele, não apareceram clientes suficientes para compensar as perdas – mesmo que o governo não tenha determinado o fechamento de pubs e tenha admitido exceções às regras de uso de máscaras em ambientes fechados para estabelecimentos do setor. “Antes da pandemia, não éramos exatamente abonados, mas acho que ninguém era”, afirmou Tofalli. “Era um pub excelente, vencedor de prêmios, o mais antigo do país. Eu tentei de tudo. Ainda estou tentando.”

Tofalli anunciou o fechamento do Ye Olde Fighting Cocks na semana passada, juntando-o às centenas de outros pubs fechados no Reino Unido desde 2020. Muitos outros pubs britânicos também foram forçados a demitir ou dar licença às equipes. “Antes da pandemia, a alta nos custos de funcionamento e impostos resultava em condições de negócios extremamente difíceis”, escreveu Tofalli, em comunicado no Facebook. “Mas estávamos conseguindo sobreviver, seguindo um plano quinquenal, e tínhamos esperança. Contudo, a pandemia foi devastadora, e as nossas apertadas margens de lucro não foram capazes de nos salvar.” 

A Mitchells & Butlers, uma das maiores operadoras de restaurantes, bares e pubs do país, afirmou que o Ye Old Fighting Cocks indicou administradores para o processo de falência. “Mas podemos tranquilizar os cidadãos locais de que este não é o fim do pub”, disse a empresa, em comunicado. “Esperamos reabrir o pub sob nova administração assim que possível.”

O pub tem cerca de 10 empregados em tempo integral. No verão, até 25 pessoas trabalham no Ye Olde Fighting Cocks, incluindo equipe em meia jornada. “Essas pessoas são parte da história do pub”, afirma Tofalli. “Eles poderão perder seus empregos – ou mantê-los, como parte de um possível futuro acordo com os novos donos.”

Uma questão de economia

Não é a primeira vez que o Ye Olde Fighting Cocks está em apuros. Quando Tofalli arrendou o local, dez anos atrás, o pub estava em péssimas condições e tinha ficado fechado por nove meses. O Reino Unido passava pela crise financeira global de 2008. “Foi o pior momento possível para adquirir um pub”, disse Tofalli, que se vê como um tipo “otimista”, mas que reconhece a tristeza de ter de abrir mão do pub. “Perdi meu sonho.”

Tofalli diz que ficou tocado com as mensagens de apoio dos clientes. Enquanto as negociações sobre o futuro do pub continuam, ele está confiante de que o Ye Olde Fighting Cocks terá vida longa. “Ele não está morto”, disse. “Está apenas tirando uma soneca. /  TRADUÇÃO DE AUGUSTO CALIL

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.