"Panelaço" deixa 68 presos e 12 feridos em Buenos Aires

O último "panelaço" na Argentina, ocorrido nesta madrugada na capital Buenos Aires, resultou na prisão de 68 manifestantes e 12 pessoas feridas. Não há registro de mortes. O saldo foi divulgado hoje pela Polícia Federal a agências noticiosas do país vizinho. De acordo com os dados da polícia, apenas dois manifestantes ficaram feridos. O restante são policiais, dois deles internados em estado grave. A manifestação desta madrugada, apenas mais uma das inúmeras registradas nas últimas semanas em todo o país contra a limitação dos saques bancários - o chamado "corralito" -, a política do novo governo e os bancos, entre outros, transcorria pacificamente até às 12 horas, quando começaram os incidentes nas proximidades da Plaza de Mayo, no centro da capital. Segundo a polícia, a situação já estava controlada às 2h20 da madrugada. Mais de 50 mil pessoas participaram do "panelaço" desta madrugada, que terminou somente pela manhã, em toda a cidade de Buenos Aires. Os manifestantes também exigiam a convocação de eleições gerais para o país, uma possibilidade ainda considerada remota pela falta de alternativas políticas no atual momento de crise econômica e institucional que a Argentina atravessa. Analistas acreditam que as novas medidas econômicas que o presidente Eduardo Duhalde prometeu anunciar em breve para o país sair da crise também deverão ser alvo de protestos, uma vez que dificilmente deixarão de incluir medidas de caráter impopular como, por exemplo, um aperto fiscal adicional ao que já estava sendo executado pelo governo anterior, onde foram decretados cortes de salários e aposentadorias para todo o setor público. Os primeiros protestos deste tipo ocorridos no país, em dezembro do ano passado, deixaram um saldo de mais de 30 pessoas mortas nos confrontos com a polícia. E levaram à renúncia do presidente Fernando de La Rúa.

Agencia Estado,

26 Janeiro 2002 | 17h32

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.