"Panelaço" termina em tumulto na Argentina

Mais uma vez, termina em violência uma manifestação contra o governo argentino em Buenos Aires, capital do país. Por volta da meia-noite (horário local), quando os milhares de manifestantes reunidos na Praça de Maio começavam espontaneamente a deixar o local que é o centro simbólico da política argentina, sob uma forte chuva, a polícia começou a atacar a multidão com gás lacrimogêneo e balas de borracha, sem motivos aparentes. As informações são do site do jornal El Clarín. Jovens manifestantes responderam aos ataques com pedras. Em poucos minutos, cerca de 50 motos, cada uma delas com dois policiais, começaram a girar ao redor da praça atirando gases e balas de borracha. Muitos manifestantes foram presos. Até o momento, sabe-se que onze manifestantes e cinco policiais ficaram feridos no confronto. Segundo informações do Serviço de Atenção Médica (SAME), no entanto, todos os atendidos tinham apenas ferimentos leves. Até o momento em que teve início a repressão policial, o "panelaço" transcorria de modo pacífico tanto em Buenos Aires como em todo o resto do país, exceto por um incidente de menor gravidade registrado em Rosário, terceira maior cidade da Argentina.

Agencia Estado,

26 Janeiro 2002 | 04h23

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.